O Jornal Tocha da Verdade é um periódico trimestral independente que tem como objetivo resgatar os princípios cristãos em toda sua plenitude. Com artigos escritos por pastores, professores de algumas áreas do saber e por estudiosos da teologia buscamos despertar a comunidade cristã-evangélica para a pureza das Escrituras. Incentivamos a prática e a ética cristã em vistas do aperfeiçoamento da Igreja de Cristo como noiva imaculada. Prezamos pela simplicidade do Evangelho e pelo não conformismo com a mundanização e a secularização do Cristianismo pós-moderno em fase de decadência espiritual.

Palestra do Pr Glauco Barreira Magalhaes Filho

Palestra do Pr Glauco Barreira Magalhaes Filho

lançamento

lançamento

sábado, 9 de abril de 2011

ANABATISMO DOUTRINAS BÁSICAS

O que fez os anabatistas diferentes? Em que os anabatistas acreditavam? Como herdeiros da tradição anabatista precisamos compreender esse movimento histórico. Precisamos ouvir de sua essência bíblica – a ênfase que procurávamos incorporar em nossa confissão de fé.

Os primeiros anabatistas do século 16 desempenhavam um papel distinto: não eram católicos nem protestantes, mas um terceiro poder separado. A realidade, agora grandemente esquecida, deve ser enfatizada.

Certamente, os fundadores do anabatismo devem muito a Lutero e aos outros reformadores protestantes. Em particular, a ênfase de Lutero na salvação – através da fé pessoal, somente em Cristo, pela graça, como revelado na Escritura – preparou o caminho. Mas em muitos outros pontos cruciais os anabatistas diferiam muito de Lutero como Lutero diferia do catolicismo romano.

Enquanto damos a Lutero o que é devido, fazemos bem em lembrar algumas realidades históricas. Lutero, como Calvino e Zwingli, veio a se opor severamente ao anabatismo. De fato, dos 20.000 a 40.000 anabatistas martirizados nas primeiras décadas, provavelmente mais foram massacrados por protestantes do que por católicos.

As diferenças entre anabatistas e reformadores eram mais profundas. Lutero, Calvino e seus associados queriam a reforma da igreja medieval. Os anabatistas queriam a restauração da Igreja do Novo Testamento.

Os reformadores olharam para o estado para defender o estabelecimento de uma religião oficial. Os anabatistas, por outro lado, não procuravam apoio governamental.

Os reformadores afirmavam que todas as pessoas no reino deveriam se conformar à religião oficial do estado. Os anabatistas, entretanto, bem antes dos filósofos terem promovido a idéia, proclamavam liberdade religiosa e civil para todos.

Os reformadores retiveram muito da fusão igreja-estado católica daqueles dias. Os anabatistas, que viam a si mesmos como estranhos e peregrinos no mundo, rejeitaram qualquer fusão de fé com cidadania. A igreja da qual eles testificavam e pela qual morreram era baseada em Jesus Cristo somente e não conhecia nenhuma fronteira de estado.

Os reformadores endossaram especificamente massacres militares por soldados cristãos. Os anabatistas, por outro lado, expressaram amor pelos seus perseguidores e oraram por eles.

Os reformadores fragmentaram e compartimentalizaram a vida cristã. Lutero escreveu “Como cristão, o homem tem que sofrer tudo e não resistir a ninguém. Como membro do estado, o mesmo homem tem que lutar com alegria, enquanto viver.” Os anabatistas rejeitaram tal dualismo ético.

O ponto foi estabelecido. Os anabatistas não eram parte da grande reforma protestante, mas estabeleceram uma terceira opção. Eles sustentavam valores distintos.

Hoje, naturalmente, outros grupos aceitaram muito do que os anabatistas redescobriram, e as diferenças entre anabatistas e protestantes diminuíram. Mas o conjunto total das crenças e práticas anabatistas permanecem distintas. Apesar dos herdeiros privilegiados dos anabatistas não terem praticado e pregado com freqüência consistentemente, o anabatismo permanece a única harmonia dos princípios bíblicos básicos.

Fazemos bem em chamar a nós mesmos de volta a base, apesar de sabermos que os anabatistas não são os donos da verdade. Claramente, em outros pontos outros podem nos ensinar muito. Nós , em tempo, apresentamos nossa compreensão anabatista, a qual envolve 12 princípios básicos:

1. Uma elevada visão da Bíblia. Apesar de não cultuarmos a Bíblia em si mesma, o que seria bibliolatria, os anabatistas aceitam “as Escrituras como a autorizada Palavra de Deus e pelo Espírito Santo o guia infalível para conduzir o homem à fé em Cristo e guiá-los na vida de discipulado cristão.” Os anabatistas insistiam que os cristãos deveriam ser sempre guiados pela Palavra, a qual deve ser coletivamente discernida, pelo Espírito.

2. Ênfase no Novo Testamento. Desde que Cristo é a suprema revelação de Deus, os anabatistas fazem uma clara distinção funcional entre os igualmente inspirados Velho e Novo Testamentos. Nós vemos um velho e um novo pacto. Nos lemos o Velho da perspectiva do Novo e vemos o Novo como sendo o cumprimento do Velho. Onde os dois diferem, o Novo prevalece, e por conseguinte a ética anabatista é derivada primariamente do Novo Testamento.

3. Ênfase em Jesus como centro de tudo. Os anabatistas derivam a sua cristologia diretamente da Palavra e enfatizam uma profunda entrega para levar Jesus seriamente em toda a vida. Tal visão corre contrária à noções de que os mandamentos de Jesus são difíceis demais para simples crentes, ou que a importância de Jesus repousa quase somente em providenciar a salvação celestial. Antes, a salvação da alma é parte de uma transformação maior.

4. A necessidade de uma igreja de crentes. Os anabatistas acreditam que a conversão cristã, enquanto não necessariamente súbita e traumática, sempre envolve uma decisão consciente. “A não ser que alguém nasça de novo, não pode ver o reino de Deus.” Crendo que um infante não pode ter consciência, fé inteligente em Cristo, os anabatistas batizam somente aqueles que vieram a ter uma fé pessoal e viva. O batismo voluntário, juntamente com uma entrega a andar em completa novidade de vida e lutar pela pureza na igreja, constituem a base da membresia na igreja.

5. A importância do discipulado. Tornar-se cristão envolve não apenas acreditar em Cristo mas também discipulado. A fé se expressa em um viver santo. Em Cristo, salvação e Ética vem juntas. Não apenas seremos salvos por Cristo, mas devemos também segui-lo diariamente em obediência de vida. Assim, por exemplo, os anabatistas desde o começo renunciaram aos juramentos. Eles determinaram falar a verdade, “pois não poder haver graduações no falar a verdade.’” Os anabatistas continuam a ensinar que a salvação nos faz seguidores de Jesus Cristo e que ele é o modelo da maneira que devemos viver.

6. Insistência em uma igreja sem classes ou divisões. A igreja, o corpo de Cristo, tem apenas uma cabeça. Embora reconheça uma diversidade de funções. Os crentes anabatistas colocam de lado toda distinção racial, étnica, de sexo ou classe social porque elas são suprimidas na igualdade e unidade do corpo.

7. Crença na igreja como uma comunidade de compromisso. Adoração conjunta, ajuda mútua, fraternidade e responsabilidade mútua caracterizam esta comunidade. Um anabatismo individualista ou centrado e si mesmo são termos contraditórios.

8. Separação do mundo. A comunidade dos transformados pertence ao reino de Deus. Ela opera no mundo mas é radicalmente separada do mundo. A igreja dos peregrinos da fé vê o mundo de pecado como um estranho ambiente com ética e objetivos completamente diferentes. Este princípio inclui a separação da igreja do estado. Além do mais, os anabatistas rejeitam qualquer forma de religião civil, seja esta o tradicional corpo cristão ou a mais recente forma desenvolvida de nacionalismo cristão.

9. A igreja como uma contracultura visível. Como comunidade unida dos crentes toda congregação anabatista é modelo de uma comunidade alternativa. Como comunidade de compromisso funciona como uma autêntica contracultura.

10. Crê que o evangelho inclui uma entrega ao caminho da paz modelada pelo Príncipe da Paz. Aqui os anabatistas diferem de muitos outros cristãos. Os anabatistas crêem que o pacifismo não é uma opção, não é marginal, e não relacionado principalmente ao militarismo. Na base da Escritura, os anabatistas renunciam a violência nas relações humanas. Nós vemos a paz e a reconciliação – o caminho do amor – como estando no coração do evangelho de Cristo. Deus deu a seus seguidores esta ética não como um ponto a ponderar, mas como um mandamento a ser obedecido. Isto custou muito para Jesus e deve ser também custoso para os seus seguidores. O caminho da paz é um caminho da vida.

11. Entrega à servidão. Como Cristo veio ser servo de todos, os cristãos também devem servir uns aos outros no nome de Cristo. Destarte, separação de um mundo de pecado é balanceada por um testemunho prático de ajuda em uma sociedade carente e ferida.

12. Insistência na igreja como uma igreja missionária. Os anabatistas acreditam que Cristo comissionou a igreja a ir por todo o mundo e por todas as sociedades e fazer discípulos de todos os povos, batizando-os e ensinando-os a observar seus mandamentos. O imperativo evangelístico é dado a todos os crentes.

Esses princípios constituem a essência do anabatismo. Embora a ênfase em cada aspecto possa ser encontrada em outros lugares, a combinação de todas constituem a singularidade do anabatismo.

A reforma protestante não foi longe o suficiente. Os primeiros anabatistas, embora longe da perfeição, entregaram-se a nada menos que a restauração da igreja do Novo Testamento. Nós, seus herdeiros, temos o privilégio de reenfatizar esses doze princípios, em palavras e atos, aqui e agora.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A paz do Senhor Jesus .
    Gostaria de saber o que os anabatistas dizem a respeito do dogma católico Maria "a mãe de Deus".
    Aguardo a vossa resposta e dede já agradeço.
    Meu e-mail para contato: jesuscristoeomeuguia@hotmail.com

    ResponderExcluir